sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Trocando Ideia! | Atenção, Brasília: o espaço público é público!


Para: Administração Regional de Brasília RA I, Governo do Distrito Federal

Uma cidade onde cada vez mais os espaços públicos são cerceados é uma cidade não democrática, não interativa, morta socialmente. É uma cidade que renega o que há de mais atávico em uma cidade: a polifonia, a mistura, a diversidade, os conflitos, em suma, o urbano com todas as suas contradições. 

Acreditamos que devemos amenizar a crescente mixofobia presente nas cidades contemporâneas: a intolerância à mistura, ao diferente, ao fora da ordem estabelecida. 

Por isso, nos manifestamos: 

- Contra o cercamento do Calçadão da Asa Norte. 
- Contra a proibição de eventos no Calçadão da Asa Norte e no Setor de Clubes Norte. 
- A favor da instalação de posto de polícia no Calçadão da Asa Norte, bem como banheiros públicos e bicicletário. 
- A favor da regularização dos atuais prestadores de serviços instalados no Calçadão da Asa Norte. 
- A favor de eventos gratuitos em áreas públicas, livres de qualquer coerção, conforme a Lei Distrital 4821/2012. 
- A favor da destinação de recursos regulares para manutenção das áreas de lazer e convivência da cidade. 
- A favor da construção de ciclovias em toda a Orla do Paranoá, à beira lago. 
- Pela democratização da Orla do Lago Paranoá com o combate permanente de invasões de áreas publicas e construções ilegais. 
- Pela reavaliação dos parâmetros de emissão de ruídos estipulados na Lei Distrital 4.092/2008 (Lei do Silêncio). 
- Pela transparência e caráter educativo em detrimento do repressivo das ações fiscalizatórias da Agefis e Ibram. 
- A favor de um mapeamento, feito pela Administração Regional de Brasília com participação da comunidade, das áreas urbanas destinadas para uso 24 horas no Plano Piloto. 

Para assinar o abaixo-assinado, acesse Petição Pública.

THE WALLRIDE PROJECT – ALEX HORNEST



O THE WALL RIDE PROJECT TEM LEVADO ARTE PÚBLICA E GRATUITA ÀS PESSOAS QUE PASSAM PELO CENTRO DE SÃO PAULO. A PROPOSTA CONSISTE EM INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS DE DIFERENTES SEGMENTOS EM UM MURO LOCALIZADO NA FRENTE DE UM DOS CARTÕES POSTAIS DA CIDADE, O EDIFÍCIO COPAN. CHECK:


VEJA MAIS SOBRE A INTERVENÇÃO DO SESPER, ACESSE VISTA.

FONTE: VISTA.

Tony Alva lança modelo de guitarra acústica pela Fender


O renomado skatista Tony Alva é sempre visto em piscinas vazias ou para fazendo música em Orange County, na Califórnia, músico na banda punk GFP, o convidamos para projetar um modelo acústico com a gente. O modelo resultante dreadnought fraque Tony Alva Sonoran SCE é tão verdadeiramente distinto como o estilo que esse homem anda de skate.

O modelo tem dois tons e é composta por um acabamento de brilho branco pérola na parte superior , elegante complementado por um acabamento de ouro Shoreline no mogno para trás e pelos lados. Alva não parou por aí , no entanto , ele também acrescentou três camadas pickguards pretas duplas, um ” Alva ” gráfico de lótus na 12 º traste , e um sistema de captação Fishman ® Isys III com pré-amplificador ativo e sintonizador. Outras características incluem quartersawn scalloped “X” órtese, xadrez roseta , gloss acabamento maple com perfil em forma de “C” e de dupla ação tensor , Stratocaster ® cabeçote guitarra, escala de rosewood 20 trastes com 11.81 ” raio , ponte de pau-rosa com sela em osso compensada, e de estilo vintage sintonizadores all- metal. Check:


Acesse Fender Brasil para maiores informações.

Deslize


Está rolando no Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR) a exposição “Deslize”. A organização da mostra produziu o making of e ela pode ser visitada até o dia 27 de abril, quem puder ir, não deixe de curtir. Check:


Fonte: Skataholic.

Felipe de Carvalho em Sydney



Resultado do exercício de auto filmagem de Felipe de Carvalho em Sydney, Austrália. Check:


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Trilha da Sessão | Micky Papa


Trilha da Sessão na área, enquanto a secção Profile continua de férias. E em grande estilo escolhemos a trilha sonora de mais uma super produção do skate mundial, destaque agora por parte individual de skatista, começamos por Micky Papa Full Part (2013), geralmente nas vídeo-partes individuais só constam um música na playlist, por isso vamos disponibilizar o vídeo na integra e na sequência o nome da trilha sonora para animar a sessions diárias. Aumente o som e muito gás nos rolês! Check:


Micky Papa Full Part | Trilha da Sessão:
Spoon - "The Underdog"

MANGUE SKATE MOVIE 4


Confira o vídeo teaser do Mangue Skate Movie 4, com galera de Angra dos Reis-RJ andando e se divertindo muito na maior pista da cidade, construída ao lado de um manguezal. Check:


Paralelo às sessões no Mangue, a loja que mais apoia a cena local Tarja Preta está produzindo seu primeiro vídeo. A produção intitulada "Tarja Mas Não Falha" mostrará vários picos de rua do centro de Angra e bairros vizinhos na Costa Verde fluminense. Aguardem!

Fonte: Penseskate.

Marretadas no cotidiano paulistano com Fernando Java


Skatista que está direto no rolê pelo picos do centrão de São Paulo e é um dos que carrega a forte identidade do skate de rua paulistano, Fernando Java está em maior evidência nos últimos tempos quando passou a postar vídeos em seu perfil no Facebook. E para não deixar as marretadas passarem batidas, a rapaziada da Enqto Isso compilou alguns desdes breves vídeos em uma 'Insta Vídeo Parte' matadora. Dá o play e Check:


Fonte: Triboskate.

Ryan Sheckler retorna a Volcom


Ryan Sheckler está de volta à Volcom, o skatista que já fez parte do time principal da marca, retorna novamente. Check:


Fonte: Skataholic.

Aviles


Amar Hernandez assina "Interaction", vídeo sobre o skate na cidade de Avilés (Espanha), das sessões nas áreas industriais abandonadas até a construção do belo skatepark de concreto. Check:


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Fica à Dica! | Supra - Slings and Hammers


Fica à Dica no ar apresentando os melhores destaques em produções de vídeos de skateboard nas cenas locais, nacionais e no mundo. Apresentando agora mais uma mega produção do skate mundial, mais especificamente da marca Supra o vídeo Slings and Hammers (Foto), é uma divertida tour pela europa, com partes dos skaters Chad Muska, Erik Ellington, Jim Greco, Kevin Romar, Lizard King, Neen Williams, Ramiro Salcedo e Tom Penny. Produção recente do finalzinho de 2013. Tem duração de 18 minutos. Agora sem mais delongas, aproveite o vídeo e boas sessions. Check:


CLAYTON PRUDÊNCIO NA CHUVA - ESTILO OVERALL




Este vídeo foi filmado com um celular no Skatepark do Núcleo Bandeirante/DF. Constar em sua trilha sonora o som Third Day This Is Who I Am Instrumental. Com imagens do skatista e videomaker Alan Diego. Check:


Manifesto contra a repressão ao skate de rua na Espanha


“Andar de skate não é crime, apesar de policiais e seguranças tentarem fazer parecer. O skate pertence à cidade e a cidade pertence à nós.” 

Com esse slogan, a Nomad Skateboards começa esse vídeo, em que mostra um projeto interessante em manifesto contra a repressão ao skate nos picos de rua. Na capital espanhola Madri, eles camuflaram minirrampas no centro da cidade, produzindo um efeito que a rampa parece estar transparente. O resultado é encantador. Check:


Fonte: Skataholic.

NIKE SB SHELTER


LUAN OLIVEIRA, SHANE O`NEILL, ENTRE OUTROS, ESTIVERAM NA DEMO DE INAUGURAÇÃO DA PISTA DA NIKE SB EM BERLIM. CHECK:


Acompanhe mais informações pela FANPAGE oficial.

Fonte: Vista.

Cisco assina com Alex Carolino



A Cisco anunciou a contratação de um nome pesadíssimo, Alex Carolino, que agora entra o time da marca brasuca. 

Fonte: Skataholic.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Skate Promo | Homenagem a Vagner Neves 'Índio'

Skate Promo no ar, trazendo para vocês os corres da cena local do skate de Brasília e Entorno, do Brasas e Mundo.




A Best Seller Skateboard inicia o ano de 2014 Homenageando o skatista Vagner Neves'Índio' pelo seu excelente trabalho realizado em 2010 e 2011. Check:

Didga, o gato skatista de rua


Se ontem falamos da história de Kahlei, um menino de 2 anos que tem o total domínio de skate na Austrália, hoje continuamos com a história do gato Didga do mesmo país. Um adestrador de gatos australiano produziu um vídeo com um simpático felino chamado Didga. Em “Um dia na vida de Didga e Ollie“, o gato sai pelas ruas de Coolangatta fazendo uma verdadeira sessão de street com seu companheiro Ollie, o skate, interagindo com o mobiliário urbano, pedestres e até cachorros. Check:


Fonte: Skataholic.

Lakai apresenta Jon Sciano



A Lakai apresentou seu novo skatista amador: Jon Sciano. Check:


Fonte: Skataholic.

Apelão entra para o time da Tensor Brasil


A Tensor Brasil acaba de contratar o skatista profissional Luis Fernando “Apelão”.




Fonte: Skataholic.

Diego Fontes é Pro


Vídeo que marca a entrada de Diego Fontes para a categoria máxima do street. Check:


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Para Entrar no Gás | Passado, Presente e Futuro - Pedro Barros


No ar mais um Para Entrar no Gás - Passado, Presente e Futuro dos(as) skatistas mais influentes de Brasília e Entorno, no Brasil e no mundo. E vamos aos trabalhos, temos a honra de apresenta-los a trajetória de sucesso do skatista Pedro Barros (Foto), da sua trajetória guarda seu primeiro contato com o skate foi aos dois anos. Na época, o brinquedo era seu meio de transporte favorito para andar pela casa. De lá para cá, Pedrinho cresceu no cenário nacional e já é considerado a maior promessa do skate vertical brasileiro. Ele é apontado por muitos como o sucessor de Sandro Dias e Bob Burnquist como o principal representante do país na modalidade. E em seu curriculo constar Tetra-campeão Mundial na categoria Skate bowl, Quatro vezes medalhista de ouro e duas vezes medalhista de prata nos X Games. Agora sem mais delongas confira o passado, presente é o futuro de Pedro Barros nos seguintes vídeos: Pedro Barros - Volcom Part I (2012) | Pedro Barros - Volcom Part II (2013) |Capital Killer Brasília (2013). Acompanhe a evolução e parte da trajetória de sucesso do Pedro Barros nos vídeos abaixo e aproveite o gás nos rolês diários. CHECK:

Pedro Barros - Volcom Part I (2012) 

Pedro Barros - Volcom Part II (2013)

Capital Killer Brasília (2013)

FAIL! Acidente no skatepark do Recanto das Emas/DF


Confira agora imagens fortes do acidente registrado (final do vídeo, exatos 1:00) no skatepark do Recanto das Emas/DF, um verdadeiro tombaço, voou sobre o quarter pipe e caiu feio. Segundo informações o skatista passa bem e já está dando novos rasantes porém desta vez aterrissando seguramente. Check:



Fonte: Channel/DF

Domínio precoce: Kahlei


Esse é o Kahlei, um skatista australiano de dois anos de idade que anda desde os seis meses. O que me impressiona não é só a habilidade e o domínio do skate, é que o moleque tá se divertindo muito. Olha a cara de felicidade dele. Check:


Fonte: Skataholic.

Honey Pot apresenta seus skatistas


Murilo Romão, Marcelo Garcia “Doh Doh” e Gustavo Malagoli são três brasileiros que fazem parte da Honey Pot, marca européia de rodas que lançou um clipe apresentando o time para esse ano. Check:


Fonte: Skataholic.

Pedro Barros vence o CupNoodles Bowl Jam

Tetracampeão mundial da modalidade, Pedro Barros mostrou mais uma vez porque é chamado de "rei do bowl". Com duas voltas que levantaram o público, o catarinense de 18 anos deixou os adversários para traz e ficou com o título do CupNoodles Bowl Jam, neste domingo no Parque Madureira (RJ)

Pedro Barros

Na primeira volta, Pedro já havia garantido a maior nota, com 86 pontos. Mas se superou e fez uma terceira volta ainda melhor, que valeu 87.67 e o título da primeira etapa do Mundial de Bowl. A premiação total do evento foi de 30 mil dólares.

Para ganhar dele mesmo, Pedrinho abusou dos aéreos, da velocidade e mostrou mais consistência e amplitude nas manobras, utilizando melhor a pista. "Eu venho pra me divertir e tentar dar meu melhor. Tive uma ótima semana, consegui evoluir muito nesta etapa. A minha estratégia foi tentar manter a segurança e fazer uma volta completa de qualidade. Competir no Rio é fantástico, esse calor do público ajuda muito. A pista é animal, de nível internacional", comemorou.

Josh Rodrigues

Com apenas 16 anos, Alex Sorgente é o competidor mais novo do Circuito Mundial. O americano conseguiu vencer o calor e ficar com o segundo lugar. "Estou muito feliz, o evento é maravilhoso. Suei muito no começo, mas bebi muita água e fui em frente. É muito bom chegar em segundo já com 16 anos, os outros competidores são muito bons", celebrou Alex.

Até então desconhecido dos brasileiros, o americano Josh Rodrigues fez a alegria do público ao distribuir camiseta, adesivos e até o tênis para galera após ficar com o terceiro lugar. "É a minha segunda vez no Brasil e me diverti muito, fui muito bem recebido pelo público. O clima aqui é muito bom, quero voltar sempre. Agradeço aos brasileiros pela recepção. O skate me faz feliz e me deixa animado", exaltou.


RESULTADO FINAL
Pedro Barros - 87.67
Alex Sorgente - 84.00
Josh Rodrigues - 83.00
Rune Gilfberg - 82.00
Murilo Peres - 80.67
Felipe Foguinho - 79.67
Sandro Dias - 78.33
Greysson Fletcher - 64.67

domingo, 26 de janeiro de 2014

Marcou o Rolê!


Marcou o Rolê! na area registrando os principais acontecimentos da semana do skate de Brasília e Entorno, do Brasas e da Gringa.

Imagem: Alexandre de Maio.

Não podíamos começar sem novamente prestarmos uma homenagem ao mano Sabotage, Salve Guerreiro Sabotage! Há 11 anos ele partia para um bom lugar!

Agora começamos com rápido rolê pela Capital Federal e Entorno com o primeiro destaque para o secção Skate Promo | Lucio Marcio, já bastante conhecido em várias secções no blog da SUG, por seu skate de alto nível e constante evolução, desta vez não foi diferente e representou muito bem. Grande destaque da semana é o mais novo Skatepark do DF, da cidado do Riacho Fundo II, que vinculou nas principais redes de noticias de Brasília. e Fechamos o rolê por aqui com passagens dos Skatistas Pro da QIX em Brasília, com Kelvin, Diego Oliveira e Sandro Sobral num rolê pesado no Skatepark do Guará, vale a pena vê novamente. Check:


Num giro rápido pelo Brasas, passamos pelas principais notícias que circularam nessa semana, com destaque para notícia que esta a todo vapor o campeonato nacional QIX TV Contest 2, corra que dá tempo de participar. Por fala em campeonato termina hoje o Cupnoodles Bow Jam no Rio de Janeiro. destaque para os retratos de Camilo Neres, no albúm Iphoneres, com figuras ilustre do skate local e nacional. E fechamos com Filipe Ortiz apresentando os picos de Curitiba para os gringos, com as contribuições de time de peso. Check:



E para finalizar destacamos notícias diretas da Gringa, e iniciamos já com a secção Para Entrar no Gás | Passado, Presente e Futuro - Brandon Westgate, apresentando um rolê impressionante com destaque para ultimo vídeo lançamento de 2014. Destaque também para a secção Fica a Dica! | The Legend Of Skateboarder Christian Hosoi, apresentando toda a trajetória desta lenda viva do skate mundial. Lançamento do Gold Wheels - “Gold Goons” 2014 (Teaser), com a presença maciça de vários skatistas brasucas no time. Pra fechar com chave de outro nada melhor que uma recente produção o vídeo JP Dantas | DC Shoes Embassy, com JP Dantas, Felipe Gustavo, Lehi Leite, Henrique Crobelatti, Neverton Socado, Alexandre Massoti, Adonis Santiago e Gabriel Moreto em Barcelona, Espanha, destruindo tudo. Check:


E assim encerramos o primeiro Marcou o Rolê de 2014!
**Todos os links em "vermelho", disponibilizam maiores informações ou levam até a fonte da informação.

Ishod Wair – Nike SB Chronicles Vol. 2 part


Assista agora a parte do Skate Of The Year 2013 pela Thrasher, Ishod Wair, no Nike SB Chronicles Vol. 2. Ishod tem feito fãs pelo mundo graças ao seu carisma e alto nível de skate. Check:


Agora resta aguardar a liberação da parte do nosso fenômeno Luan Oliveira, que também faz parte dessa edição do vídeo da Nike.

Fonte: Vista.

High Skate Sessions



Confira os vídeos descontraídos da marca High. Com Tiago Bereza, Charles Barcelos, Gabriel Marchiorato e Lucas Simora. Check:


Destaque para o skatista Lucas Simora:



Veja mais na Fanpage da marca.

Fonte: Vista.

THIRD FLOOR


Assista ao vídeo da marca idealizada pelo skatista brasileiro radicado em Barcelona Fabio Galo Cego. Com Alexandre Massotti, Marcos Mamá, Lupa Sin, Gabriel Moreto, Neverton Casella, Pedro Attenborough, Brian Albarenga, Alex Cardoso, Michel Mello e Davi Oliveira. Check:



Se você quiser entender um pouco mais do contexto de alguns desses brasileiros que moram em Barcelona pode ler uma matéria feita pelo Rodrigo Kbça para a Vista 024.
 
Fonte: Vista.

Os novos Profissionais da Qix


Uma das características da QIX ao longo dos seus 20 anos, é o investimento na equipe de skate. Dando continuidade a este trabalho, fundamental para a identidade da marca, a QIX começa 2014 anunciando a contratação de três novos profissionais, além de passar para Pro um skatista da equipe de amadores.

Samuel Jimmy
FS Fifty - Rodrigo Kbça

Uma das apostas da QIX para sua equipe profissional é Samuel Jimmy. Prata da casa, Jimmy é conhecido por seu skate impressionante, ao melhor estilo rock ‘n’ roll. Suas diversas capas na Tribo Skate, a elogiada parte no vídeo Ame-o ou Deixe-o foram mais que suficientes para que Jimmy fosse promovido à Pro.

Caique Silva
Tweaked - Rodrigo Kbça

Outra novidade no time Pro da QIX é o skatista Caique Silva. Local do Rio Vermelho, em Florianópolis, Caique encerrou bem 2013, com a terceira colocação no Mundial Amador de Bowl, que aconteceu na Hi Adventure. Skatista overall, Caíque, além de andar nas transições de cimento e esmerilhar coping blocks, também faz suas sessions em outros tipos de terrenos, como half pipes, pistas de street e nas ruas.

William Damascena
FS Smith Grind - Rossato Lima


Rodrigo Maizena
BS Heel Flip - Rossato Lima

As outras contratações são nomes de peso do street skate brasileiro: William Damascena e Rodrigo Maizena. Ambos foram indicados ao prêmio de Skatista do Ano, da revista CemporcentoSKATE, vencido por Maizena. Os dois também lançaram algumas partes de vídeo no último ano, com destaque para Damascena no vídeo Sociedade em Pânico e videoparte dupla de Maizena que encerra a produção IR, O Vídeo.

Fonte: QIX.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Ta Em Casa | SABOTAGE 11 anos: O rap é compromisso!

Imagem: Lucas Nascimento. 

 Ta em casa no ar em edição mais que especial reverenciando um dos maiores Rapper do país, o grande Sabotage, neste mês completamos 11 anos sem nosso maestro do Canão, que nos deixou rumo há "um bom lugar", e para prestar uma humilde homenagem republicamos o documentário SABOTAGE NÓS, confira o enredo do filme e logo mais assista na integra um pouco da trajetória deste grande mestre do rap no Brasil.

 'Sabotage Nós' é um documentário que retrata a caminhada do 'Maestro do Canão' em direção ao seu disco de estreia, 'Rap É Compromisso', apresentando a perspectiva dos produtores, amigos e colaboradores que participaram ativamente do trabalho. Em paralelo, é contada a história da 'Família RZO' e do momento áureo do rap nacional ao final dos anos 90. O documentário é intercalado por cenas dos filhos de Mauro Mateus dos Santos, Wanderson Sabotinha e Tamires, mostrando o cotidiano da Favela do Boqueirão, onde moram e onde viveu Sabotage após a saída do Canão. Os herdeiros do rapper ainda levam a reportagem para uma visita ao que restou da Favela do Canão, à beira da Avenida Prof. Roberto Marinho, antiga 'Av. Espraiada'. A direção é assinada por Guilherme Xavier Ribeiro, em uma coprodução da GuardaChuva com a MTV Brasil, que exibiu um trecho do material durante o 'Último Yo! MTV Raps', em setembro de 2013. Check:



Fonte: Guardachuva.

adidas Skateboarding | Silas SLR

A adidas Skateboarding apresenta o vídeo Silas SLR em comemoração ao lançamento do novo modelo de tênis e coleção de roupa do skatista.

 
A coleção Silas SLR é um reflexo do estilo pessoal do skatista. O tênis tem como referência três modelos clássicos da marca: Samba, Boston e adiStar Racer, um dos favoritos de Silas. Check:



Acesse o site ADIDAS SKATEBOARDING

 

Tengu: God of Mischief


Suba ao teto da icônica NY com os skatistas do vídeo Tengu: God of Mischief. Na verdade trata-se de um trailer do vídeo de Colin Read, que está a venda, com os skatistas Connor Kammerer, Koki Loaiza, Piro Sierra, Eby Ghafarian, Alex Fogt, Billy Rohan, Ryan Barlow, Nic Nootens, Spike Lamy, e Leo Gutman. Check:



Tengu ainda tem imagens nas ruas de São Francisco, Tóquio e Bordeaux. Veja mais aqui.

Fonte: Vista

Circuito Brasiliense de Skate 2ª Etapa Taguatinga/DF (vídeo)



Veja como foi o Circuito Brasiliense de Skate, realizado entre os dias 20 a 22 de Dezembro, em sua 2ª Etapa, na cidade Taguatinga/DF. Check:



Fonte: ASKTD

Luan Oliveira é dono do Melhor Vídeo Parte SLS 2013

Com mais de 10.000 votos, Luan Oliveira vence a votação da melhor parte de vídeo do Street League 2013.


O ranking ficou assim: Luan Oliveira (29%)
Shane O’Neill (27%)
Nyjah Huston (15%)
Paul Rodriguez (7%)
Chris Cole (7%)
Sean Malto (5%)
Ishod Wair (4%)
Torey Pudwill (3%)
Dylan Rieder (2%)
Bastien Salabanzi (2%)

Clique na imagem e confira o vídeo das melhores partes do Luan no SLS2013. Check:


sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Trocando Ideia! | Como as corporações estão mudando o skate

Introdução e tradução por Fel / artigo original por Lurper, 
No final do ano passado, me deparei com esse artigo na Jenkem, escrito pelo Lurper. Apesar de ter pontos em que dá pra concordar e outros nem tanto, o texto é atualíssimo e merecia ser traduzido pra que os skatistas brasileiros tivessem total acesso.

Se você anda por diversão, tem que ler. Se você vive o skate todo dia, tem que ler. Se você vive DO skate, tem que ler mais ainda. Então leia e deixe sua opinião nos comentários. Tem assunto pra mais de ano aí.


Na última década, houve um aumento enorme do envolvimento corporativo no skateboard, e nós podemos estar voltando a uma forma de skate da qual Steve Rocco, Mike Vallely, Mark Gonzales e outros caras tentaram desesperadamente escapar no começo dos anos 90.

Novos membros da comunidade do skate, como Eric Wiseman, Phil Knight, Herbert Hainer, os Maloofs, Gary Ream, William Sweedler, Neil Cole e Andrew Kline estão desafiando o significado do que é ser skatista e o jeito como nós andamos de skate. Esses caras (que, provavelmente, nunca botaram os pés num skate) operam ou são os donos do dinheiro por trás da VF Corp (Vans), Nike, Adidas, Maloof Money Cup, Woodward, Sequential Brands (DVS), Iconix (Zoo York) e Park Lane Sports Investment Banking (Street League). Através de seu poder econômico fora do skate, ele conseguem lucrar diretamente com a nossa atividade. Devemos nos preocupar com não-skatistas tomando posições tão poderosas dentro da nossa cultura? Devemos nos preocupar se skatistas se associam com essas pessoas e compram seus produtos? Isso vai mudar o nosso jeito de andar, a imagem que nós temos de nós mesmos e nossa visão do mundo?

 
A Iconix é dona da Zoo York, Rocawear, Ed Hardy e várias outras marcas. 
(reprodução Jenkem / Rob Tannenbaum)

Claro! Como skatistas, nós dividimos espaço socialmente, e nenhum de nós existe em um vácuo (de algum modo, nossas ações afetam a cultura do skate como um todo, e cada skatista dentro dela). Dentro desse espaço conjunto, nossas ações coletivas tem produzido e enfatizado como são importantes a criatividade, autonomia, cooperação e diversão no skate. Esses valores são as ideologias dominantes no skate, que moldam nossas identidades, ditam como nós vemos o mundo e como nós agimos. Mas, com mais e mais corporações entrando nessa atividade, eles desafiam e tentam mudar a ideologia dominante e a performance do skate para algo que os permita, racionalmente, alcançar seu único propósito: o lucro. Se eles conseguirem, talvez não mudem a ideologia ou a performance de skatistas como eu, que estão nesse meio há anos, mas vão mudar a ideologia, o espaço e a economia do skate com os mais jovens, e até alienar skatistas mais velhos, tirando-os de um mundo que eles ajudaram a criar e manter, até este mesmo mundo ser invadido e vendido por gente de fora.

Muitos desses caras de fora estão tentando operar o skate com os mesmos princípios que baseiam muitas corporações modernas, e que são completamente incompatíveis com o skate de rua como nós conhecemos. Como George Ritzer aponta no livro The McDonaldization of Society, empresas tentam operar de um modo extremamente eficiente. O foco deles é tornar tudo quantificável (“skatemétricas”), ao invés de focar em coisas que tem valor subjetivo (por exemplo, a “melhor parte de vídeo”). Eles querem que tudo seja previsível, padronizado, com experiências se repetindo todo o tempo, e que todos os aspectos do negócio ou atividade sejam facilmente controlados. Basicamente, o contrário de tudo que o skate é hoje. Conforme esses valores provenientes das grandes empresas se tornam cada vez mais parte do skate, influenciando a ideologia de cada skatista individualmente, mais e mais o skate vai mudar. O skate não será como nós o conhecemos hoje. Ao invés disso, terá uma ideologia e uma performance similar ao futebol ou, como Rob Dyrdek prega, ao UFC.

 

Fala a verdade: onde isso aqui se parece com skate?

Se as empresas continuarem a ganhar influência dentro da nossa cultura, a forma dominante do skate pode sair das ruas, onde é difícil de ser controlada e de se conseguir lucro, e migrar para a skatepark. Além disso, os vídeos também podem mudar. Por que gastar dinheiro mandando um time inteiro pra Barcelona por três semanas para filmar só dez manobras, se você pode mandar um cara só pro Arizona por uns dois dias e ter o seu logo aparecendo no mundo todo pela ESPN?

Ao invés de produzir vídeos de skate de forma ineficiente, criativa e colaborativa, os skatistas vão entrar no mundo dos mega-eventos eficientes, previsíveis, padronizados, quantificados e controlados. Nesse mundo, não há tempo para ficar tentando uma manobra durante horas; isso não é eficiente. Há pouco espaço para criatividade (ou seja, nada de backside fifty fingerflip), porque “não é uma boa estratégia”. Não há razão para procurar novos picos, já que é mais eficiente que todos os eventos aconteçam em espaços parecidos. Seja no Arizona ou em Toronto, você vai poder ver o Chaz Ortiz varar a mesma escada de 10 degraus. Se o skate corporativo começar a tomar conta, não haverá espaço para caras como Louie Barletta, Chris “Mango” Milic ou Jeff Stevens. Só haverá espaço para caras (incríveis, porém) padronizados como Greg Lutzka, Ryan Sheckler ou Nyjah Huston.

 
O Street League atrai milhares de pessoas a cada etapa. 
(reprodução Street League)

Uma presença forte das corporações em nossa cultura vai mudar a economia do skate. Como vimos nos últimos sete anos, a presença da Nike e da Adidas aumentou, enquanto marcas criadas por skatistas faliram, o que limita a habilidade dos skatistas de verdade influenciarem o skate. Marcas de skatistas estão em uma difícil fase econômica, não por causa das flutuações maturais do mercado, mas por causa da brutal e evidente diferença do poder econômico entre as partes.

A entrada das mega-corporações no skate criou uma situação similar à que as coffee shops pequenas enfrentaram com a Starbucks. A gigantesca rede abria uma loja do outro lado da rua de uma coffee shop local e, mesmo que a loja estivesse indo bem antes, não consegue mais lucrar estando tão perto da Starbucks, que pode aguentar pequenas perdas, investe muito dinheiro em propaganda e promoções e faz enormes pesquisas de mercado. Mais cedo ou mais tarde, a lojinha local vai falir, e assim a Starbucks domina o mercado local. Não por causa da qualidade superior do produto, mas pelo poder econômico.

Lutzka com um cheque gordo dos Maloof. (reprodução Jenkem / Jared Wickerham)

As corporações também estão mudando a ideia de quanto os skatistas acham que merecem ganhar, quanto os acionistas das empresas acham que devem lucrar em cima dos skatistas, e reforçando a ideia de que não é preciso investir tão pesado na cultura como um todo. Se tornou comum ver Chris Cole e outras mega-estrelas do skate ganharem US$ 40.000 por mês, enquanto muitos profissionais ganham perto de US$ 2.000 por mês, ou até mesmo são dispensados para que as empresas possam bancar o salário de alguém mais “famoso”. Se tornou razoável ver a Zumiez (gigante que vende peças, roupas e produtos de skate) fazer centenas de milhões de dólares em vendas no ano, sem patrocinar nenhum skatista.

E estamos todos abismados com o prêmio de US$ 500.000 que os Maloofs oferecem nos eventos, quando isso não é nada perto da fortuna que a família Maloof vale: aproximadamente US$ 1 bilhão! US$ 500.000 é apenas 1/20000 do valor da rede Maloof. Seria o mesmo que você ganhar US$ 77 mil por mês e dar US$ 15,00 no evento. Parece que o skate está separado em dois polos: um onde poucos homens de negócio e um grupo muito pequeno de skatistas está fazendo muita grana, e outro com todo mundo fudido. Infelizmente, nossa nova ideologia nos faz ver isso como normal quando, na verdade, esse é um estado muito incomum para o skate.

 
Sheckler com um fã. 
(reprodução jib.yuku.com)

Finalmente, com as grandes corporações comprando e vendendo marcas de skate, a estrutura do mundo do skate é drasticamente afetada. Nós vimos isso recentemente, quando Mark Ecko vendeu a Zoo York para a Iconix, que acabou decidindo que a melhor coisa a fazer seria tirar o skate da Zoo York e demitir alguns skatistas.

Outro exemplo das consequências da compra e venda de marcas como se elas fossem commodities, ao invés de pilares da comunidade do skate, é a aquisição da Timberland pela VF Corp. A VF Corp, recentemente, comprou a Timberland, que era dona da Ipath. Passados alguns meses, a Ipath foi vendida para a Klone Lab, o que levou à reestruturação da Ipath e à perda de boa parte do time da marca.

As corporações só dão valor às marcas e skatistas levando em conta o quanto de lucro eles podem gerar para os acionistas, ao invés de valorizá-los como parte importante da nossa cultura. No mundo do skate corporativo, marcas e skatistas são meros commodities que devem ser comprados, vão gerar lucro e depois são jogados fora.

O skate já chegou a abrir a bolsa de valores norte-americana. 
(reprodução nasdaq.com)

Se as corporações continuarem a aumentar sua fatia no skate, suas ramificações em termos de cultura, espaço e economia serão enormes. Ao invés de esperarmos pra ver a próxima parte criativa do Mango, as pataquadas dos Baker Boys ou o próximo documentário do Wallner, estaremos presos assistindo Alex Klein tentando vender o skate competitivo pra fora do país, e Sheckler ganhando no skate, sendo “o melhor”. Ao invés de anomalias, esses skatistas se tornarão o padrão, e nós podemos acabar em um lugar pior do que estávamos nos anos 80, quando Vallely, Rocco, Gonzales e outros caras se rebelaram contra o controle das corporações.
 
Artigo por Lurper – Jenkem
Tradução por Fel
Artigo original